Conteúdo (alt + 1) Menu Principal (alt + 2) Menu Direita (alt + 3) Inicio (alt + 5)   
 
     
 
 
 
 
 
 
     
 
 
http://portalses.saude.sc.gov.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/6559574.jpglink
http://portalses.saude.sc.gov.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/817174Ve__culo_MDV___webgrande.jpglink
http://portalses.saude.sc.gov.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/960500Op____o_02.jpglink
http://portalses.saude.sc.gov.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/868389Capasite.jpglink
http://portalses.saude.sc.gov.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/5990781.jpglink
Mutirões do Projeto Ver já atenderam mais de 7,6 mil catarinenses Banco de Leite da Maternidade Darcy Vargas ganha veículo equipado para coleta Secretário da Saúde recebe visita do cônsul Geral de Cuba Secretário recebe representantes de municípios para fortalecer ações de regionalização da Saúde  20ª edição da Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza começa na próxima segunda-feira
Santa Catarina tem regiões com elevado risco de transmissão de dengue, febre de chikungunya e zika vírus

Florianópolis, 18 de maio de 2017

Mesmo com período de poucas chuvas e temperaturas baixas, algumas regiões de Santa Catarina apresentam elevado risco de transmissão de dengue, febre de chikungunya e zika vírus pelo alto índice de infestação de Aedes aegypti.

Foram identificados 6.281 focos do mosquito, em 128 municípios catarinenses, entre os dias 01 de janeiro e 06 de maio deste ano – quase 1.000 a mais do que fora identificado no mesmo período de 2016. Desses, 56 municípios são considerados infestados, de acordo com a disseminação e manutenção dos focos, conforme o Boletim Epidemiológico n° 10/2017 - Vigilância entomológica do Aedes aegypti e situação epidemiológica da dengue, febre de chikungunya e zika vírus em Santa Catarina – divulgado hoje, 18, pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina (Dive/SC). Em comparação ao último boletim, houve a inclusão dos municípios de Dionísio Cerqueira e Galvão entre os infestados.

“Apesar dos poucos casos confirmados das doenças, a grande maioria dos municípios infestados está com condição vetorial para iniciar a transmissão a qualquer momento”, alerta João Fuck, coordenador do Programa de Controle da Dengue em Santa Catarina, vinculado à gerência de Zoonoses da Dive/SC. “Eles têm depósitos com água e a presença de mosquito”, complementa, referindo-se ao resultado do Levantamento de Índice Rápido para Aedes aegypti (LIRAa) realizado pelos municípios infestados no mês de abril. Dos 49 municípios que concluíram o LIRAa, 14 foram considerados com baixo risco para transmissão, 24 com médio risco para transmissão e 11 com alto risco para transmissão.

Potenciais criadouros

No levantamento, 30.743 depósitos que continham água parada foram inspecionados, ou seja, todos potenciais criadouros do mosquito Aedes aegypti. A maioria era lixo ou sucata (9.837 (32%)), e depósitos móveis, como balde, prato de planta, bebedouro de animais e reservatório de geladeira (9.810 (31,9%)).

“Esses dados revelam o quanto todos temos que manter a vigilância sobre nossas casas, o nosso local de trabalho e as nossas ruas, mesmo em períodos de baixa temperatura. Uma tampinha de garrafa exposta à chuva oferece condições para a proliferação do mosquito”, exemplifica João.

O objetivo do LIRAa é a identificação do tipo e a quantidade de depósitos encontrados que possam ser potenciais criadouros do mosquito nos imóveis vistoriados. O LIRAa prevê a vistoria de uma amostra de 20% do total de imóveis existentes no município e calcula o índice de infestação considerando imóvel com larva de Aedes aegypti/100 imóveis. O levantamento é realizado anualmente nos meses de abril e novembro, por orientação da Estratégia Operacional para Prevenção e Controle da Dengue, Febre de Chikungunya e do Zika Vírus no estado de Santa Catarina.


Voltar
 
 
 
Rua Esteves Júnior, 160 - Centro - CEP: 88.015-130 - Florianópolis - Fone: (48) 3664-9000
 
 
     
 
   
Design by windows vista forum and energiesparlampen