Conteúdo (alt + 1) Menu Principal (alt + 2) Menu Direita (alt + 3) Inicio (alt + 5)   
 
     
 
 
 
 
 
 
     
 
 
http://portalses.saude.sc.gov.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/539567capasite_02.jpglink
http://portalses.saude.sc.gov.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/749518CAPASITE.jpglink
http://portalses.saude.sc.gov.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/488032efos.jpglink
http://portalses.saude.sc.gov.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/938993Capasite.jpglink
http://portalses.saude.sc.gov.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/589932capasite.jpglink
Secretário de Estado da Saúde assina Projeto de Inovação que contempla maternidades do Estado Governador Colombo visita novo centro cirúrgico do Hospital Infantil Joana de Gusmão Alunos de especialização em Urgência e Emergência da Efos apresentam TCC Saúde Mental de Santa Catarina tem nova coordenação Saúde apresenta proposta com novos critérios para repasses aos hospitais filantrópicos
Aberta a 1ª Conferência Estadual de Saúde das Mulheres de SC com mais de mil participantes

Florianópolis, 13 de junho de 2017

Na manhã desta terça-feira, 13, foi realizada a cerimônia de abertura da 1ª Conferência Estadual de Saúde das Mulheres de Santa Catarina, com a participação de 1.100 delegados municipais entre representantes dos segmentos dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), profissionais de saúde, governo estadual e prestadores de serviços. O evento, que está ocorrendo no auditório do Centro de Cultura e Eventos da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), trouxe para o debate o tema "Saúde das Mulheres: Desafios para a Integralidade com Equidade”.

O secretário de Estado da Saúde, Vicente Caropreso, falou da importância da responsabilidade social com recursos públicos. “Nós vivemos cada vez mais com a necessidade de ter responsabilidade daquilo que se fala e daquilo que se preconiza. Quando se coloca em jogo algum direito ou conquista, cada vez mais temos que saber a maneira que isso será custeado, e esse é o grande desafio de qualquer gestor de saúde hoje, seja municipal, estadual e federal. Por isso, essa conferência estadual se reveste da maior responsabilidade porque todos vocês, quando colocarem à disposição da Secretaria de Estado da Saúde as suas propostas, essas deverão estar calcadas na responsabilidade e na necessidade. É assim que as coisas devem ser na saúde pública, transparentes”. Caropreso destacou ainda que “se quisermos ter um SUS total, irrestrito, a qualquer hora, temos que saber de onde vem todo o recurso necessário para que isso aconteça. Essa conscientização depende de todos nós e é por isso que acredito muito nesse grande debate que está sendo feito no estado”.

O presidente do Conselho Nacional de Saúde, Ronald Ferreira dos Santos, disse estar muito feliz por estar em sua terra acompanhando a materialização do processo de construção das propostas catarinenses para a 2ª Conferência Nacional de Saúde das Mulheres. “O movimento das mulheres foi ao longo da história no Brasil, e no mundo, um dos principais responsáveis pelos avanços das últimas décadas. A bandeira de luta das mulheres tem sido a responsável por esses avanços. É muito importante estar aqui hoje com os catarinenses construindo esse desafio que o Conselho Nacional de Saúde propôs ao Brasil inteiro. Tenho a convicção da grande contribuição que Santa Catarina dará com os mais de 3 mil municípios brasileiros, os 26 estados e o Distrito Federal que estão se dedicando a debater as questões relativas aos direitos da mulher”, destacou Ronald.

Márcia Cansian, secretária de Saúde de Botuverá, que na cerimônia representou o presidente do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de SC (Cosems), enfatizou que Santa Catarina é o 4º estado com maior número de violência contra as mulheres. “Isso não pode ser esquecido em nossos debates nessa conferência. Precisamos discutir o papel da mulher nas concepções mais restritas. Infelizmente, ainda o corpo da mulher é visto apenas na sua função reprodutiva e da maternidade. A saúde da mulher limita-se ainda à saúde materna e ao processo dessas questões de gênero”, observou Márcia. Ainda segundo ela, as conferências municipais de saúde hoje podem mapear do que mais adoecem e morrem as mulheres nos municípios catarinenses. “As mulheres formam o universo que mais utilizam remédios controlados no estado. Há, sim, uma necessidade de articulação com outras áreas técnicas e da proposição de novas ações que sejam relacionadas às mulheres rurais, deficientes, negras, indígenas, presidiárias, lésbicas e a participação nas discussões e atividades sobre a saúde da mulher e do meio ambiente. Somos reflexo do que a sociedade nos impôs. É preciso equidade. Precisamos empoderar as mulheres para que sejam atoras em suas mudanças”, complementou a secretária de Saúde de Botuverá.

Ana Paula Lima, deputada estadual, que no ato representou o presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina, destacou que as mulheres representam 50,4% da população catarinense e que a busca pela igualdade de gênero deve ser cotidiana e permanente para termos uma sociedade mais justa, humana e solidária. “Nesses tempos difíceis e sombrios é fundamental a organização das mulheres na luta e a mobilização para alcançar nossos direitos. Por isso precisamos estar atentas à possibilidade de aprovação das reformas previdenciária e trabalhista que assombra a todos nós, mas especialmente às mulheres”, disse a deputada.

Ana Paula citou uma das propostas que sua região, Blumenau, está trazendo para ser discutida, a implantação da primeira Casa de Parto de Santa Catarina. “Ainda não temos uma casa de parto, e esta seria referência para o Médio Estado do Vale do Itajaí, preconizada pela política da Rede Cegonha para nossas gestantes. Queremos que isso se concretize. Para mim é uma satisfação muito grande estar aqui, pois nosso mandato tem pautado muito essas questões das gestantes e parturientes”, acrescentou Ana Paula.

A presidente do Conselho Estadual de Saúde de SC (CES) e coordenadora Geral da 1ª Conferência Estadual de Saúde das Mulheres, Cléia Aparecida Giosole, falou estar muito contente e ansiosa para contribuir com as propostas que vieram das conferências municipais e macrorregionais. “É com muita satisfação que digo para vocês que é a primeira vez que o Conselho Estadual de Saúde elege uma presidente do segmento dos usuários, sendo mulher e negra. Obrigada a todos que depositaram em mim a confiança para estar aqui, fazendo parte dessa história. Hoje debatemos a efetivação de políticas públicas para nós mulheres e que esta conferência será um espaço de discussão, de ideias e que contribua para o controle social no SUS a fim de garantir atenção integral a saúde das mulheres sem qualquer forma de preconceito ou descriminação”.

 

A conferência

A 1ª Conferência Estadual de Saúde das Mulheres de SC servirá para discutir e propor diretrizes sobre políticas públicas relacionadas à saúde da mulher, bem como o seu papel e as condições adversas no mercado de trabalho. Além disso, temas como machismo, sexismo e misoginia estarão na pauta de discussão neste primeiro dia de encontro. A conferência terá quatro eixos temáticos: O papel do Estado no desenvolvimento socioeconômico e ambiental e seus reflexos na vida e na saúde das mulheres; O mundo do trabalho e suas consequências na vida e na saúde das mulheres; Vulnerabilidades e equidade na vida e na saúde das mulheres e Políticas públicas para as mulheres e a participação social.

Na quarta-feira, 14, último dia do evento, será realizada a grande plenária e a votação das propostas enviadas pelos municípios e regiões. Também serão escolhidos os delegados de Santa Catarina para a etapa nacional entre os usuários do SUS, profissionais de saúde, governo e prestadores de serviços, que ocorrerá de 1° a 4 de agosto de 2017, em Brasília.

Também participaram da cerimônia de abertura da conferência, o secretário Municipal de Saúde de Florianópolis, Carlos Alberto Justo da Silva, a conselheira Nacional de Saúde e coordenadora Geral da 2ª Conferência Nacional de Saúde das Mulheres, Carmem Lúcia Luiz e a presidente do Conselho Estadual dos Direitos da Mulher de SC, Sheila Sabag.

Foram convidados para participar do evento profissionais de saúde dos municípios, integrantes das equipes da Atenção Básica/Estratégica Saúde da Família, coordenadores da Atenção Básica dos municípios, gerentes regionais de saúde, apoiadores do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde (Cosems), do Centro de Integração de Educação e Saúde (CIES), técnicos da Diretoria de Educação Permanente e da Gerência de Coordenação da Atenção Básica da Secretaria de Estado da Saúde (SES).

 


Voltar
 
 
 
Rua Esteves Júnior, 160 - Centro - CEP: 88.015-130 - Florianópolis - Fone: (48) 3664-9000
 
 
     
 
   
Design by windows vista forum and energiesparlampen