Conteúdo (alt + 1) Menu Principal (alt + 2) Menu Direita (alt + 3) Inicio (alt + 5)   
 
     
 
 
 
 
 
 
     
 
 
http://portalses.saude.sc.gov.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/928262taio_hospt.jpeglink
http://portalses.saude.sc.gov.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/600421IMG_3603.JPGlink
http://portalses.saude.sc.gov.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/825857Capa_site.jpglink
http://portalses.saude.sc.gov.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/103624dr_vicente_caropreso.jpeglink
http://portalses.saude.sc.gov.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/482363Equipe.RIA.RP.DraCristiane.jpglink
Hospital e Maternidade de Taió recebe R$ 1,1 milhão em investimentos Dia D de combate ao mosquito Aedes Aegypti mobiliza saúde catarinense Anatel doa conversores digitais e antenas para a Maternidade Carmela Dutra Convênio de R$ 1,5 milhão garante reforma da emergência do Hospital Regional de São José Festa de Natal reúne pacientes no ginásio do Centro Catarinense de Rebilitação
1ª Conferência Estadual de Saúde das Mulheres de SC termina nesta quarta-feira com escolhas de propostas e delegados para a etapa nacional

Florianópolis, 14 de junho de 2017

Encerra-se nesta quarta-feira, 14, a 1ª Conferência Estadual de Saúde das Mulheres de Santa Catarina trazendo para o debate o tema central “Saúde das mulheres: Desafios para a integralidade com equidade”. O evento, que iniciou na terça-feira, 13, está reunindo 1.100 convidados e delegados escolhidos nos municípios catarinenses entre representantes dos segmentos dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), profissionais de saúde, governo estadual e prestadores de serviços no auditório do Centro de Cultura e Eventos da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis.

Este evento é uma etapa preliminar da 2ª Conferência Nacional de Saúde das Mulheres, que ocorrerá de 1° a 4 de agosto de 2017, em Brasília, com as propostas deliberadas nas conferências estaduais. O objetivo da conferência nacional é propor diretrizes para compor a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Mulheres.

A coordenadora Geral da 1ª Conferência Estadual de Saúde das Mulheres e presidente do Conselho Estadual de Saúde de SC (CES), Cléia Aparecida Giosole, está muito satisfeitacom os debates e propostas que vieram dos encontros municipais e macrorregionais. Além disso, está com ótimas expectativas com relação às propostas estaduais. Veja a entrevista com Cléia:

SES: Qual a importância desta conferência para o Estado e à nível nacional?

Cléia: A realização de conferência é uma das diretrizes da lei 8080, de 19/09/1990, que regula as ações e serviços de saúde em todo o território nacional e estabelece os princípios, diretrizes e objetivos do Sistema Único de Saúde (SUS). A conferência faz com que os delegados aqui presentes reavaliem as propostas que vieram dos municípios e das macrorregionais. O objetivo dessa conferência é traçar para que sejam incluídas no plano municipal, no estadual e encaminhadas para a 2ª Conferência Nacional de Saúde das Mulheres.

SES: Como está se dando a organização do evento?

Cléia: Estamos felizes. Vieram mais de mil delegados dos municípios e temos quase mil propostas que serão discutidas entre oito grupos de trabalho, onde sairão as propostas que serão encaminhadas para a conferência nacional e as que estarão inseridas no plano estadual no que se refere a Política Integral da Saúde das Mulheres.

SES: O que foi feito no primeiro dia do evento (13/06) e hoje (14/06)?

Cléia: No primeiro dia, logo após a abertura da cerimônia, foi realizada uma palestra onde foi lido e aprovado os regulamentos da conferência. Depois todos os delegados se dividiram em subgrupos para discutirem e escolherem as propostas que serão encaminhadas à Conferência Nacional para compor a Política Nacional da Saúde da Mulher na sua integralidade. E também para que saiam as propostas pra política estadual.

Nesta quarta-feria, além de ocorrer a grande plenária, haverá a escolha dos 48 delegados homens e mulheres para representar o estado de Santa Catarina na Conferência Nacional e defender as propostas elencadas nesta conferência.

SES: Com relação às propostas, existe alguma área que possui mais urgência?

Cléia: Creio que a demanda maior será com relação a integralidade da mulher como um todo, ou seja, tratá-la como um ser humano, como pessoa, não só vê-la por seu lado ginecológico. Esse é o viés, ver a mulher pelo seu lado psicológico, como uma trabalhadora, como uma mãe.

SES: A tônica dos discursos na abertura foi “não perder direitos”. Você acredita que esse é o ponto principal neste debate?

Cléia: Sim, com certeza. Hoje toda a reformulação que está ocorrendo a nível nacional sempre entra como premissa a mulher em segundo plano. E essa não é a ideia. O objetivo é fortalecer, ou seja, se nós estamos aqui, vamos ocupar os nossos espaços. Lutando para que não haja racismo, preconceito, que sejamos tratadas com dignidade como nós mulheres merecemos.

SES: Como foi sua trajetória até ser presidente do Conselho Estadual de Saúde de Santa Catarina?

Cléia: Eu comecei atuando no Conselho Municipal de Joinville. Num primeiro momento, fui representar uma Associação de Pais e Professores (APP) de escola. Deixei a APP, os filhos cresceram e então resolvi voltar. Foi aí que comecei a atuar como representante de moradores lutando pelos seus direitos, sendo sempre do segmento usuário. Depois representei a Federação das Associações de Moradores, a Famesc, e ali consegui representar o Estado enquanto coordenadora de Plenária Nacional de Saúde, onde participei da organização da Conferência Nacional de Saúde.

O meu intuito principal sempre foi a defesa e a busca dos direitos coletivos. Creio que temos que soltar nossa voz, lutar pelos nossos direitos constitucionais, pois a saúde é um direito de todos desde que haja uma política pública eficaz. Então, desta forma, fui atrás de capacitações, conferências, me especializar. O artigo 198 da Constituição Federal de 1988 fala da participação da comunidade, fala que precisamos ocupar os espaços dos conselhos de saúde seja local, municipal e estadual. Me sinto no dever e obrigação de representar aquele usuário mais vulnerável, que falta o medicamento, falta o tratamento resolutivo, o acesso é mais difícil. E é por isso que a gente tem que lutar e é pra isso que a conferência é constituída.

SES: Você estava muito emocionada na cerimônia de abertura da conferência estadual na terça-feira. Pode falar um pouco sobre isso?

Cléia: Claro! Foi um privilégio nesse ano de 2017 ser eleita a primeira mulher, negra e representante do segmento usuário para presidente do Conselho Estadual de Saúde de Santa Catarina, e bem no dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher. Para uma mulher negra é importante conquistar esse espaço. Sempre quando falo disso, me emociono. Agradeço a todos que depositaram em mim a confiança para estar aqui, fazendo parte dessa história de luta pelos direitos da mulher.

SES: Então a realização desta 1ª Conferência Estadual de Saúde das Mulheres além de ser uma vitória pessoal é uma vitória para todas as mulheres catarinenses?

Cléia: Sem dúvida alguma é uma grande vitória. Na realidade, a primeira Conferência Nacional de Saúde e Direitos da Mulher ocorreu em 1986, e após 31 anos retoma as discussões e reúne as mulheres para pensar a política nacional de saúde. E hoje está sendo realizada a primeira de Santa Catarina. Temos muito o que agradecer a todos que colaboraram para a efetivação deste grande encontro de discussão da saúde da mulher. É uma vitória ver 1.100 delegados lutando pelos direitos de 50,4% da população catarinense que é mulher. 


Voltar
 
 
 
Rua Esteves Júnior, 160 - Centro - CEP: 88.015-130 - Florianópolis - Fone: (48) 3664-9000
 
 
     
 
   
Design by windows vista forum and energiesparlampen