Conteúdo (alt + 1) Menu Principal (alt + 2) Menu Direita (alt + 3) Inicio (alt + 5)   
 
     
 
 
 
 
 
 
     
 
 
http://portalses.saude.sc.gov.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/539567capasite_02.jpglink
http://portalses.saude.sc.gov.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/749518CAPASITE.jpglink
http://portalses.saude.sc.gov.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/488032efos.jpglink
http://portalses.saude.sc.gov.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/938993Capasite.jpglink
http://portalses.saude.sc.gov.br/components/com_gk3_photoslide/thumbs_big/589932capasite.jpglink
Secretário de Estado da Saúde assina Projeto de Inovação que contempla maternidades do Estado Governador Colombo visita novo centro cirúrgico do Hospital Infantil Joana de Gusmão Alunos de especialização em Urgência e Emergência da Efos apresentam TCC Saúde Mental de Santa Catarina tem nova coordenação Saúde apresenta proposta com novos critérios para repasses aos hospitais filantrópicos
Seminário aborda mudanças nas leis de licenciamento e fiscalização sanitária

Florianópolis, 04 de agosto de 2017

Gestores, profissionais e especialistas da área de saúde reuniram-se na manhã desta sexta-feira (5), na Assembleia Legislativa, para debater o papel dos órgãos ligados ao licenciamento e fiscalização sanitária, bem como propostas de alteração na legislação que regula o setor.O evento foi promovido pela Diretoria Vigilância Sanitária do Estado de Santa Catarina (Divs-SC) e marca a passagem do Dia Nacional da Vigilância Sanitária. “Queremos lembrar aos governantes e à população que a vigilância sanitária está atuando 100% do tempo, garantindo a segurança e a qualidade de vida às pessoas, e que ela é totalmente pública. Não há nenhum cidadão que não se beneficie desse serviço, pois todo mundo bebe água, se alimenta, usa medicamentos, maquiagem e transita em ambientes que são licenciados”, afirmou Raquel Ribeiro Bittencourt, diretora da Divis-SC.A vigilância sanitária do estado, disse Raquel, procura orientar suas ações de licenciamento e fiscalização no sentido de favorecer a criação de novos empreendimentos, sem abrir mão da segurança sanitária. “Temos muito orgulho de estar inovando e estamos recebendo delegações de diversos pontos do país, tais como Maceió, Mato Grosso, Rondônia e São Paulo, com as quais trocamos informações e experiências.”


Riscos e benefícios


O professor Marcus Vinicius Navarro, do Instituto Federal da Bahia, observou que Santa Catarina também possui uma legislação inovadora, que pode servir de modelo para todo o país. O especialista, que ministrou a palestra “O Olhar do Benefício Além do Risco: Um Novo Paradigma da Regulação”, refere-se à Resolução 02, de 2005, que trata de radiações ionizantes.De acordo com ele, a norma já incorpora a relação riscos/benefícios no processo de tomada de decisões dos órgãos sanitários, algo considerado como desejável pelos especialistas do setor. “A própria definição de vigilância sanitária é focada nos riscos, mas se não levarmos em conta também a importância de determinado produto ou serviço, não poderemos liberar nada para a população. Então esse é um erro histórico que estamos procurando corrigir.”

Ele cita como exemplo a existência de um aparelho de raio X descalibrado em um hospital. Caso este fosse o único equipamento do tipo em uma cidade, a alteração na legislação permitiria que a vigilância sanitária o interditasse parcialmente, autorizando seu funcionamento por um período determinado. “A proposta não é expor a sociedade a riscos, mas permitir que ela tenha acesso a determinadas tecnologias, em determinadas situações, pois hoje tudo é tratado igualmente.”Ainda de acordo com Navarro, a expectativa dos profissionais da área, é que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) utilize a experiência catarinense como exemplo para todo o país.


Voltar
 
 
 
Rua Esteves Júnior, 160 - Centro - CEP: 88.015-130 - Florianópolis - Fone: (48) 3664-9000
 
 
     
 
   
Design by windows vista forum and energiesparlampen