Conteúdo (alt + 1) Menu Principal (alt + 2) Menu Direita (alt + 3) Inicio (alt + 5)   
 
     
 
 
 
 
 
 
     
 
 
Cobertura da vacinação contra a gripe ainda é baixa em SC

Florianópolis, 25 de maio de 2018.

A sete dias do final da campanha de vacinação contra a gripe, 953.596 pessoas dos grupos prioritários foram imunizadas. A cobertura está na metade da meta estabelecida pelo Ministério da Saúde (MS) que é de 90% das 1.844.225 pessoas do público-alvo. A população tem até o dia 1º de Junho para imunizar-se em um dos postos de vacinação de todo o Estado. Até o momento, Santa Catarina recebeu 2.058.400 doses (110%).

Segundo o Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SIPNI) do Ministério da Saúde (MS), o grupo com menor índice de vacinação é o de crianças entre 6 meses e 5 anos, com cobertura de apenas 51,71%.

Já o público com maior cobertura é o de idosos (84,47%), seguido por indígenas (82,42%), puérperas (mulheres cujo parto ocorreu há até 45 dias) (76,43%), professores (69,16%), trabalhadores de saúde (59,97%) e gestantes (53,97%).

“Santa Catarina sempre se destacou em campanhas anteriores. Mas nessa edição o índice ainda está abaixo da meta, o que nos preocupa porque o frio já chegou. Convocamos as pessoas que ainda não se imunizaram a procurar os postos e atualizar sua caderneta de vacinação. Somente com a vacina podemos evitar a gripe e suas consequências”, observa o secretário de Estado da Saúde, Acélio Casagrande.

A imunização assegura proteção contra os três subtipos do vírus de maior incidência: H1N1, H3N2 e Influenza B. “O objetivo é atuar no período de maior propagação do vírus: na transição entre o outono e o inverno”, alerta Eduardo Macário, diretor da Vigilância Espidemiológica estadual (DIVE/SC). “ A vacina é a forma mais eficaz de proteger a população, reduzindo hospitalizações e complicações da doença”, acrescenta.

Número de casos

De acordo com o boletim epidemiológico 08/2018 da influenza, entre os dias 31 de Dezembro de 2017 e 23 de Maio de 2018, foram confirmados 91 casos e 7 mortes decorrentes do vírus Influenza. No mesmo período no ano de 2017, foram registrados 153 casos 21 óbitos por influenza.

Desse total registrado em 2018, até o momento, 52 (57,1%) casos e 5 (71,4%) óbitos foram ocasionados pelo subtipo H1N1, 33 (36,3%) casos e 2 (28,6%) mortes foram confirmados por H3N2, e 6 (6,6%) casos e nenhum óbito em decorrência do Influenza B. Mais 399 casos foram provocados por gripe, mas nenhum deles relacionados a esses subtipos.

Os municípios que apresentaram casos confirmados da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) pelo vírus Influenza foram: Florianópolis (18 casos); Blumenau (11 casos); São José (10 casos); Tubarão (9 casos); Biguaçu e Criciúma (4 casos cada); Itajaí, Joinville e Palhoça (3 casos cada); Braço do Norte, Itapema, Jaraguá do Sul, Laguna, Leoberto Leal, Maravilha, Santo Amaro da Imperatriz e Tijucas (2 casos cada); Araranguá, Brusque, Canelinha, Ituporanga, Lebon Régis, Nova Veneza, Rodeio, São Ludgero e São Miguel do Oeste (1 caso cada); e 1 caso pertencente ao estado do Paraná.

“Recomendamos aos municípios que não atingiram as metas que continuem a vacinação até chegar ao percentual de 90%. Cabe aos gestores locais de saúde a tarefa de definir as estratégias para prorrogar a campanha, com base nas coberturas vacinais de cada grupo prioritário”, enfatiza Macário.

Prevenção

Para prevenirem-se contra o vírus da gripe, as pessoas devem lavar as mãos frequentemente, fazer uso do álcool gel e evitar tocar o rosto com as mãos. “Isso porque o vírus Influenza é transmitido a partir das secreções respiratórias, podendo também sobreviver algumas horas em diversas superfícies, como madeira, aço e tecidos. A partir do contato com um doente ou com uma superfície contaminada, o vírus pode penetrar pelas vias respiratórias, causando lesões pulmonares, que podem ser graves e até fatais, se não tratadas a tempo”, explica a gerente de Vigilância das Doenças Imunopreveníveis, Imunização e DTHA (GEVIM), Vanessa Vieira da Silva. Segundo ela, outra medida importante para reduzir a circulação do vírus da gripe é manter os ambientes ventilados e evitar permanecer em locais onde haja aglomeração de pessoas.

A vacina é oferecida gratuitamente na rede pública de saúde para as pessoas pertencentes aos grupos prioritários. A relação completa das salas de vacina do estado está disponível em www.gripe.sc.gov.br.

Como evitar a gripe?

·         lave e higienize as mãos com frequência, principalmente antes de consumir qualquer alimento;

·         ao tossir ou espirrar, proteja o rosto com um lenço ou com o antebraço;

·         evite tocar as mucosas dos olhos, do nariz e da boca;

·         higienize as mãos após tossir ou espirrar;

·         não compartilhe objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;

·         mantenha os ambientes bem ventilados;

·         evite o contato próximo com pessoas que apresentem os sintomas da gripe.

Se você tiver os sintomas da gripe, deve:

·         procurar imediatamente um serviço de saúde, a fim de buscar tratamento adequado;

·         após o início do tratamento, evitar sair de casa no período de transmissão da doença (até 7 dias após o início dos sintomas);

·         evitar aglomerações e ambientes fechados, procurando manter os ambientes ventilados;

·         adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos.


Voltar
 
 
 
Rua Esteves Júnior, 160 - Centro - CEP: 88.015-130 - Florianópolis - Fone: (48) 3664-9000
 
 
     
 
   
Design by windows vista forum and energiesparlampen